Casa Bandeirista recebe exposição permanente e projeta ser transformada em Museu

Por Patrícia Souza | 04/05 às 03h:01
Casa Bandeirista receberá imagem de São Gonçalo vinda de PortugalFoto por: Divulgação Secretaria de Cultura e Patrimônio

Texto: Patrícia Souza e Nízea Coelho

 

A Casa Bandeirista, conhecida também como Casa de Pedra ou Setecentista, localizada próximo à Igreja em devoção a São Gonçalo do Amarante no distrito de Amarantina, resguarda em sua história a passagem dos bandeiristas pelos caminhos de Minas entre os séculos passados.

Construída no século XVIII para receber os desbravadores paulistas para pouso e abastecimento dos tropeiros que percorriam os caminhos do ouro, época em que a região do distrito de Cachoeira do Campo também se desenvolvia economicamente na agricultura, a Casa Bandeirista foi declarada “Patrimônio Nacional” em 1963 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Desde 2012, vem recebendo investimentos da Prefeitura com o objetivo de transformar o espaço em local de visitação, remetendo às memórias da época.

As obras de restauração do casarão (que estava em ruínas) se iniciaram em 2012 e, após a readaptação, o espaço vinha sendo utilizado para reuniões e práticas culturais, como oficinas, workshops e trabalhos artesanais para a comunidade. 

Em 2020, a Secretaria de Cultura e Patrimônio conseguiu recursos de medida compensatória de um empreendimento comercial na região para realizar a ambientação do espaço, com mobiliário de época e historiografia, criando uma exposição de longa duração. Foi desenvolvido, pela própria Secretaria, um projeto museológico para tentar fazer dessa ação uma exposição permanente, e transformar a Casa em um Museu Municipal, a exemplo do Museu Casa dos Inconfidentes.

Segundo o idealizador do projeto, o ex-secretário Zaqueu Astoni, “todo o museu está pronto e este foi desenvolvido sem ônus para o município, com recursos obtidos junto a uma medida compensatória. A parte histórica receberá uma expografia que evoca o período dos bandeirantes, as Cavalhadas, a formação do Distrito de Amarantina e sua importância pra Ouro Preto. O anexo da Casa Bandeirista receberá todos os equipamentos para se tonar um espaço multiuso, com auditório completo, cadeiras, mesas, computador, televisor, Datashow e sonorização. Ainda será instalado um outdoor na rodovia convidando as pessoas a conhecerem o espaço”.

De acordo com o museólogo responsável pela exposição permanente e servidor do Município, Hudson Augusto Silva, a exposição de longa duração, contará um pouco sobre a história e as origens de Minas Gerais, Ouro Preto e Amarantina. “A exposição irá destacar a cultura, o patrimônio, as tradições, os festejos populares e religiosos e a memória bandeirista. O acervo será composto por móveis de época e antiguidades, além de fotografias antigas, atuais e textos informativos”, ressalta Hudson.

Além do mobiliário de época, a Casa Setentista receberá uma imagem de São Gonçalo de mais de 300 anos vinda de Portugal e um oratório mineiro setecentista, para enriquecer o acervo e valorizar a cultura, além de ser um incentivo para desenvolver e fomentar o turismo no distrito de Amarantina.