Matriz de Nossa Senhora da Conceição é reaberta ao público

Depois de quase 10 anos fechada para restauração, a Igreja do Antônio Dias é reaberta à comunidade ouro-pretana

Por PatrickSilva |18/11 às06h:20

Texto: Patrick de Araújo

 

Na data em que se comemora o Dia de Aleijadinho, a comunidade ouro-pretana recebeu um presente: a reabertura oficial do Santuário da Igreja de Nossa Senhora da Conceição. A cerimônia de reabertura aconteceu na manhã desta sexta-feira, dia 18, no interior da Igreja e contou com a presença de autoridades e fiéis. As atividades no Santuário foram suspensas há quase 10 anos, quando o templo foi fechado para restauração em 2013. A reinauguração da igreja faz parte da programação da Semana do Aleijadinho, evento que celebra a vida do patrono das artes brasileiras. No próximo dia 24 de novembro, às 19h, Dia Nacional de Ação de Graças, acontecerá a primeira celebração no Santuário.

Antes da reabertura oficial do Santuário, o Monsenhor Luiz Antônio Reis Costa abriu o evento com uma fala sobre a importância da cultura, das artes e como o Movimento Modernista se inspirou com as montanhas de Minas Gerais, as ladeiras e templos de Ouro Preto, e em especial com a obra de Aleijadinho, considerada uma obra única, genuinamente, brasileira. A Secretária de Cultura e Turismo, Margareth Monteiro, completou a fala destacando a preciosidade da cidade. “Ouro Preto é uma joia, de fato, cravada no interior de Minas e a gente aviva a raridade dessa jóia com essa edificação religiosa, com esse templo, com essa igreja tão bela em que os elementos barrocos que revelam essa necessidade da arte para a mineiridade”, destacou  secretária. 

Já o Pároco e Reitor do Santuário Nossa Senhora da Conceição, Padre Edmar José da Silva, destacou e agradeceu os investimentos necessários para a execução da obra e também relembrou os esforços e desafios que a paróquia e a comunidade enfrentaram durante a restauração do Santuário. Também o padre parabenizou a comunidade por ter aderido a campanha “apadrinhe uma imagem”, em que os fiéis contribuíram financeiramente para a restauração de algumas imagens que compõem o acervo do artístico Santuário. Em seguida, o Coral da Orquestra Pio X promoveu um concerto dentro do Santuário e foi realizada a aposição da coroa de flores no túmulo de Aleijadinho.

Os representantes do corpo técnico do Iphan, na presença da Presidente Nacional da instituição, Larissa Rodrigues Peixoto, falaram sobre os investimentos do Governo Federal para a realização das obras, que ficaram em torno de R$ 9 milhões, de acordo com a presidente. As intervenções do Santuário de Nossa Senhora da Conceição foram incluídas no Programa de Preservação do Patrimônio Cultural das Cidades Históricas.

O Prefeito de Ouro Preto, Angelo Oswaldo, destacou a fé do povo de Ouro Preto e o envolvimento da comunidade durante todo o processo. “O que seria do nosso patrimônio material senão fosse nosso patrimônio imaterial?As irmandades, as procissões, as celebrações da Semana Santa, as festas dos padroeiros, tudo isso faz com que haja uma noção muito grande de que esses templos justifiquem o fato de serem realmente igreja, serem locais de culto, além de serem referências singulares da cultura de Minas Gerais e do Brasil.” 

Por fim, estiveram presentes na cerimônia o Prefeito de Ouro Preto, Angelo Oswaldo, a vice-prefeita, Regina Braga, a Secretária de Cultura e Turismo, Margareth Monteiro, o Pároco e Reitor do Santuário Nossa Senhora da Conceição, Padre Edmar José da Silva, o Monsenhor Luiz Antônio Reis Costa, Vigário Geral da Arquidiocese de Mariana. Além de Larissa Rodrigues Peixoto, Presidente Nacional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Debora Maria Ramos do Nascimento França, Superintendente do Iphan - MG, Maria Raquel Alves Ferreira, Chefe do Escritório Técnico do IPHAN em Ouro Preto e da comunidade e da imprensa ouro-pretana. 

Sobre a obra

De acordo com o Iphan, a obra de restauração do Santuário foi dividida em duas etapas: recuperação estrutural, substituição de instalações elétricas e de prevenção e combate a incêndio, mudança da pintura nas cores originais da igreja, “resgatadas por meio de prospecções cromáticas, iconografia histórica e no relato dos antigos moradores.” Durante a segunda etapa, os serviços foram de conservação e restauração, limpeza e imunização preventiva dos elementos artísticos do prédio.