Ofício de Bordadeiras e Rendeiras de Ouro Preto
Ofício de Bordadeiras e Rendeiras de Ouro Preto

Ane Souz

O ofício de bordadeiras e rendeiras em Ouro Preto se insere num contexto de antigas tradições, que remetem a questões culturais, sociais e de gênero. Esta atividade, predominantemente ligada a núcleos femininos, geralmente é familiar, transmitida e ensinada de geração a geração. Sabe-se que a confecção de bordados é mais antiga que a de rendas, remontando até o período pré-histórico, quando os seres humanos iniciaram a confecção das suas primeiras vestes. Dessa maneira, podemos perceber que a técnica de bordar foi transmitida com o passar dos séculos, sendo adaptada de acordo com a civilização em que estava inserida. O caso do Brasil é especialmente interessante, pois revelou uma intensa mistura cultural, é claro que, sob a hegemonia europeia portuguesa. Porém, a cultura lusitana já chegou carregada de outras influências europeias (especialmente francesas) e orientais (especialmente as árabes e turco-otomanas). Em terras americanas, a arte do trançado e da tecelagem indígenas já se faziam presentes. Como mencionado anteriormente, a confecção das rendas é posterior a dos bordados, mas mantém características comuns, como o ambiente social, o contexto cultural e as questões de gênero. Ouro Preto, antiga Vila Rica e capital da Província, seria um centro irradiador de cultura, incorporando, misturando e transformando as diferentes matrizes culturais que alcançaram seu território. O ofício de bordadeiras e rendeiras pertence a esse processo, sendo um dos diversos aspectos culturais da cidade tricentenária. Atualmente o cenário de bordados e rendas em Ouro Preto ainda preserva, por um lado, a produção doméstica, particular e voltada ao círculo familiar, que também continua a ser um importante espaço de transmissão desse saber. Por outro lado, estão cada vez mais presentes no cenário ouro-pretano as associações, grupos e coletivos de bordadeiras e rendeiras.



Parecer de tombamento: clique aqui para download

Fontes de informação e referências:

Acervo de Inventários e Dossiês da Prefeitura de Ouro Preto/PROPAT e Arquivo Público Municipal de Ouro Preto