Conjunto Ferrroviário de Miguel Burnier
Conjunto Ferrroviário de Miguel Burnier

O bem Cultural “Conjunto Ferroviário de Miguel Burnier” data de 1887 (estrutura original, tendo passado por modificações na década de 1920. A primitiva estação do então povoado de São Julião foi inaugurada no mesmo ano do início das atividades do Ramal de Ouro Preto da Estrada de Ferro Dom Pedro II, mais tarde chamada de Central do Brasil. A antiga construção, que pode ser visualizada a partir de fotos antigas do acervo de moradores, era simples e tinha a estrutura toda de madeira. A estação de São Julião foi rebatizada ainda no final do século XIX com o nome de Miguel Burnier, em homenagem ao antigo diretor da Linha do Centro da EF Central do Brasil na época das obras de construção do ramal de Ouro Preto. Porém, na década de 1920, o crescimento do fluxo de pessoas e materiais bem como a ação das intempéries climáticas, contribuiu para o avanço do processo de danificação da primeira estação, que se tornou insuficiente para o nível das atividades empreendidas na região. No Relatório do Ministério de Viação e Obras Públicas do ano de 1922 foi divulgada a “situação penosa de quase todas as estações ferroviárias da Estrada de Ferro”. Neste contexto é que foram construídas novas estações “e que sofreram grandes reparações, melhoramentos e ampliações de vulto” diversas outras já existentes, dentre elas Burnier. Com o fim das atividades na linha férrea, o edifício da estação permaneceu abandonado por aproximadamente uma década. Tal situação contribuiu para que muitos de seus materiais fossem removidos para uso particular ou venda criminosa. A edificação originalmente utilizada como estação e plataforma de embarque apresenta tipologia arquitetônica ferroviária típica do final do século XIX e início do XX, com influência da arquitetura inglesa e alemã. Sua função e localização resultaram em uma arquitetura utilitária. A estação apresenta volumetria simplificada, com planta que se distribui em um bloco único, sem recortes ou reentrâncias, e em apenas um pavimento acima do nível do solo. O sistema construtivo da edificação é misto, sendo na porção original autoportante em madeira com vedação em alvenaria de tijolos maciços, e na parte ampliada, o sistema é em alvenaria autoportante de tijolos maciços.



Parecer de tombamento: clique aqui para download

Fontes de informação e referências:

Acervo de Inventários e Dossiês da Prefeitura de Ouro Preto/PROPAT e Arquivo Público Municipal de Ouro Preto